Introdução

Não anuais

Peixes que normalmente habitam locais permanentes, que não secam, em consequência das estações do ano.

 

 

Espécie Temperatura TDS (sólidos) Observação
Aphyosemion australe
26°C
50–100
Casal isolado ignora filhotes
Aphyosemion striatum
22°C
50-100
Casal isolado ignora filhotes
Fundulopanchax gardneri
24°C
60-150
Casal ou grupo ignora filhotes
Fundulopanchax sjoestedti
24°C
60-150
Desova no fundo

 

Geraldo Hollanders, Vinícius Cardeal e Paulo Tosador, em Santos SP

Na figura ao lado, uma turma de Mestres: da esquerda para a direita, Geraldo Hollanders, Vinícius Cardeal (RJ) e Paulo Tosador, próximos à estufa do primeiro, em Santos - SP.

 

Aplocheilus, Epiplatis e Pachypanchax formam um grupo antigo de killies. Aplocheilus ocorre na Ásia; Pachypanchax ocorre em Madagascar e os Seychelles e Epiplatis ocorrem na África. Todos são peixes de superfície. Poucos são espetacularmente coloridos, mas os coloridos, quando ocorrem, são muito bonitos. A maioria é fácil de manter e reproduzir em cativeiro. A mais fácil delas é o gênero Aplocheilus. Estes peixes crescem bem, comem qualquer coisa. Eles são peixes tropicais no verdadeiro sentido do termo: 30°C é normal para eles, embora possam suportar 18°C. Todos são coloridos e se reproduzem com facilidade. O crescimento é rápido.

 

O gênero Epiplatys é amplo e diverso. As espécies mais populares são o killi "Foguete", Pseudoepiplatys annulatus, foto, e Pseudoepiplatis annulatuso Epiplatys dageti. O primeiro é melhor mantido em setups permanentes. Seus filhotes são muito pequenos e precisam de infusórios para crescer. Rotíferos, segundo Scheel (o das Cartas) são demasiado grandes para eles, como primeiro alimento. Epiplatys dageti é um peixe robusto que é bastante prolífico, podendo lotar todos os aquários que encontrar, sem que seja notado. Não gostam de ser mantidos juntos em ambientes lotados, pois são bastante suscetíveis a doenças nessas condições. Os machos, em cativeiro, podem ser beligerantes.

 

Anuais

Peixes que habitam locais submetidos a ciclos de alagamentosecagem e, na época chuvosa, restabelecimento. Sobrevivem através dos ovos que permanecem em dormência [diapausa] e que eclodem quando os locais tornam a ser inundados.

 

Os anuais Sul Americanos são um grupo diverso, composto de de muitas linhagens evolucionárias, que facilitam a subdivisão dos cuidados gerais necessários a cada uma. No Sul e ao longo da costa Este estão as Cynolebias, hoje restritas aos "monstros", do gênero. As espécies populares foram subdividas em Austrolebias e Simpsonichthys. A Cynolebia nigripinnis, foto, é a estrela do show.Cynolebias nigripinnis Este peixe, de um chocolate escuro até um preto profundo com pintas brancas ou azuis é muito lindo. É um peixe descomplicado da Argentina, Paraguai e Uruguai. Na Natureza, é encontrado em habitats que congelam no inverno, mas é capaz de suportar altas temperaturas sem problemas. Desova bastante e pode ser muito produtivo. O único senão é que podem produzir belly sliders. De acordo com alguns criadores, isso pode ser corrigido encubando os ovos a baixas temperaturas (cerca de 20 graus). Os filhotes podem consumir artêmia ao nascer. Outras espécies populares são A. alexandrii e A. bellottii. São fáceis de cuidar e se desenvolvem melhor a 18°C.

 

Sympsonichthys

ocorrem do norte do Paraguai até o Rio Amazonas. As espécies do Sul podem tolerar águas frias, enquanto as nortistas precisam ter condições tropicais. Um membro popular desse gênero, hoje reclassificado para Nematolebia é a Nema. whitei. Esse peixe foi coletado pelo General Whitei em 1940. Foi mantido em aquário desde então. É chocolate com pontilhado dourado ou azul iridescente nos flancos e nas nadadeiras ímpares. Come ração e cresce até os 10 cm sem problemas se criado no frio. Pode viver por uns dois anos. As fêmeas são muito produtivas. A incubação pode ser feita na água, mas em substrato leva de oito a doze semanas. Algumas linhagens são plácidas enquanto outras são bem agressivas, com os machos brigando entre si. Uma temperatura de 24°C é recomendada para reprodução.

 

Simpsonichitys magnificus

Outros Simpsonichthys atrativos são Simp. fulminantis, Simp. magnificus, foto, Simp. picturatus e Simp. zonatus. Há muitas outras espécies, mas estas são as mais comuns no hobby.

 

Enquanto Nematolebia. whitei pode tolerar temperaturas de até 16 graus, a maioria dos outros requer água mais quente, em torno de 24°C, no mínimo.

Incubação para o Nema. whitei e outras espécies é de meras 6 semanas, mas pode levar até quatro meses. As espécies do Rio São Francisco, com condições mais tropicais, demandam um período de três a quatro meses a 24°C ou mais.

 

Filhotes de Austrolebias e Simpsonichtys são, em geral, grandes e fáceis de criar [com a notável exceção do atrativo Simp. costai]. Eles comem náuplios de artêmia e muitos vão trocar para alimentos secos sem problemas. O máximo crescimento é obtido criando as espécies em água fria [que não supere 24°C].

 

Podem desenvolver longas extensões nas nadadeiras, mas para tanto os peixes necessitam de bastante espaço, água limpa, boa alimentação e muito pouca agressão intra-espécie. Machos plenamente desenvolvidos de Simp. flammeus ou hellneri são de "tirar o fôlego".

 

O sucesso com os anuais Sul Americanos consiste em rehidratar o substrato. Em muitas ocasiões, os ovos não vão eclodir na primeira vez. Pode ser que a terceira e a quarta rehidratação viabilizem mais ovos do que a primeira ou segunda. Os ovos são também fáceis de incubar em água.

 

Remessa de ovos pelo correio

Essa é a forma como o hobby de criar killifishes funciona. É possível remeter ovos de killies para todo o mundo pelo correio. Hoje é possível expedir os peixes por via aérea para todo o mundo, também. Mas essa providência é bastante complexa, nas suas exigências legais. Muitos a realizam, mesmo assim, com sucesso ou insucesso, caso a caso.