Introdução

O cruzamento do Betta é um dos espetáculos mais belos da Natureza,Casamento do betta, um abraço de amor e ímpeto vale a pena preparar o ambiente de forma que possa ser acompanhado sem perturbar os nubentes. Mesmo que haja diferenças expressivas entre os processos seguidos pelos diferentes criadores, é bom saber que alguns deslizes costumam resultar em insucesso. Não desanime se não for bem sucedido na primeira ou segunda tentativa - isso é muito comum, com iniciantes. O importante é que aprenda uma rotina e se atenha a ela, cuidando de não omitir etapas. Logo, seu maior problema será como conduzir as centenas ou milhares de filhotes até a fase adulta.

Condicionamento

É conveniente antecipar o cruzamento de bettas de um período de condicionamento, que será de uma a quatro semanas, dependendo das condições em que se encontram os escolhidos. Peixes de sua própria criação poderão prescindir desse preparo, peixes que foram recebidos por via aérea ficarão melhor se tiverem duas semanas de aclimatação, peixes adquiridos em lojas normalmente demandam um período maior.

Nesse processo as trocas de água serão mais intensas, os alimentos em maior quantidade e de melhor qualidade, incluindo alimentos vivos, se disponíveis.

Montagem

Você vai precisar de:

Essa é uma montagem doméstica clássica. Conhecemos muitas outras formas alternativas, tais como utilizando bacias com muitas plantas, valas no chão, etc. A vantagem desta hipótese é que você poderá observar todo o processo, interferindo.

Casamento

O aquário

Encha o aquário até a metade, com água Aquário para reproduçãodescansada. Misture um pouco de água de um aquário equilibrado e saudável. Instale o termostato - se este não alcançar a lâmina d'água, coloque-o em um vidro cheio de água, dentro do aquário. Regule a temperatura para 27 graus. Se o terminal do filtro ficar muito fora d'água, incline-o até o nível. Fixe a tampa de isopor na parede lateral do aquário, mais para a frente. Coloque a pedra em um dos ângulos traseiros do aquário. Coloque as plantas. Tampe o aquário. Deixe o filtro funcionando por uma semana.

Introduzindo o casal

Coloque o macho em um copo de vidro boiando no aquário. Fêmea com listrasSolte-o após meia hora. Deixe que ele explore o ambiente, por um período bem amplo. Coloque a fêmea no aquário, no ângulo formado pela chapa de vidro e as paredes no canto traseiro do aquário ou dentro da chaminé de lampião, de forma que o macho possa vê-la, mas não a possa agredir. Ela vai permanecer presa até que seja o momento do cruzamento. Observe o casal: o macho deve iniciar a construção de um ninho de bolhas; a fêmea deverá apresentar listras verticais no corpo e não demonstrar medo do macho.

Cruzamento

Quando a fêmea se mostrar receptiva ao macho, em havendo algum volume do ninho de bolhas, é o momento de libertá-la. Retire-a do "presídio" e a solte, longe do macho. Ela vai nadar pelo aquário. Quando o macho a vir, vai se armar para ela e começar a caçá-la. Vão ocorrer algumas mordidas nas barbatanas, mas isso é normal. A fêmea inspecionará o ninho e poderá até destruí-lo. O macho continuará a persegui-la e a tratar do ninho. Ela, então, se colocará abaixo dele e eles começarão a se abraçar. O macho vai envolvê-la e apertá-la, ficando imóvel, momento em que ela expulsará os ovos, que caem em cascata. Ele os tomará na boca e os fertilizará, fixando-os, então no ninho, envoltos em sua saliva. Eles vão repetir o processo durante duas ou três horas. Quando concluírem, ele vai começar a caçá-la, novamente. Então você pode retorná-la ao seu aquário de origem. Se não vierem a cruzar no primeiro dia em que a fêmea for solta, é melhor aprisioná-la durante a noite, no mesmo aquário, para evitar que ele possa machucá-la.

Paternidade

Macho recolhendo ovos - gentileza irmãos CaranA partir de então, o macho vai guardar o ninho permanentemente. Alguma iluminação fraca durante a noite irá auxiliá-lo nessa tarefa. Todos os ovos que se desprenderem serão recolocados. Se o fundo do aquário for pintado de uma cor escura, ele poderá localizá-los com mais facilidade. Depois de dois ou três dias, os ovos vão eclodir e filhotes muito pequenos poderão ser vistos, pendurados no ninho, na vertical. Agora o trabalho do macho aumenta, pois os filhotes balançam e caem com frequência sendo, sempre, reconduzidos. Em mais dois ou três dias, os filhotes vão começar a nadar livremente, na horizontal. Você, então, pode remover o macho. A remoção é um procedimento delicado, pois os filhotes são muito pequenos e podem ser capturados involuntariamente pela rede. Uma alternativa é pegar o macho com a mão, gentilmente, conduzindo-o, nela, para outro aquário.

Cuidados com os filhotes

A partir de então, os filhotes precisam ser alimentados. Microvermes, são uma boa opção para os primeiros dias, assim como infusórios, se você conseguiu cultivá-los. Se tiver, use comida líquida própria para alevinos de filhotes de ovíparos, que existe, importada. Ao final da primeira semana, inicie com os náuplios de artêmia. Tudo em pequenas quantidades para não poluir demasiado. O filtro deve ser acionado, em ritmo bastante lento (uma ou duas bolhas por segundo). Controle a temperatura e mantenha o aquário tampado. Trocas de água podem ser iniciadas duas semanas após estarem nadando. Utilize um tubo de pequeno calibre e verta a água em outro recipiente, pois eles não estarão reagindo muito bem, para fugir do sifão. Caso sejam sugados, reponha-os. Mantenha o processo durante dois a três meses, quando os machos começarão a exibir suas características, com o alongamento das nadadeiras e as agressões recíprocas vai iniciar.

Cuidados com os pais

O ritual animalesco do casamento do Betta costuma provocar ferimentos nas nadadeiras e no corpo de ambos os participantes. Portanto, ao retornar os pais a seus aquários originais é conveniente adicionar algum recondicionante ou, se tiver, formalina a 25 ppm. Com isso evitará que os ferimentos evoluam para algo mais grave.

NUNCA, NUNCA...

REPRODUZIR EM AQUÁRIOS PEQUENOS.
Bettas podem facilmente desovar 200 a 400 ovos. Portanto, algo como 300 filhotes vão surgir do ninho de bolhas e podem facilmente superlotar um aquário pequeno. Muitos filhotes em pequeno espaço significa elevar explosivamente os níveis de amônia e nitrIto, provocando mortes.
REPRODUZIR SEM UM FILTRO
É necessário ter um pequeno filtro no aquário de reprodução, filtros de esponja são adequados, mantidos com fluxo suave.
DEIXAR SUBSTRATO NO TANQUE DE REPRODUÇÃO
Os ovos vão se introduzir nas fendas, impossibilitando que o pai os reconduza ao ninho. Mesmo que eclodam, muitos filhotes vão ficar presos, morrendo.
ALIMENTAR OS FILHOTES COM RAÇÃO EM FLOCOS
Esse não é o alimento apropriado para filhotes, nos primeiros dias. Use microvermes e filhotes de artêmia.
DEIXAR DE TER UM TERMOSTATO E AQUECEDOR
Você precisa manter a água a 27° C, sem flutuações.
DEIXAR DE COBRIR O AQUÁRIO
Aquários cobertos lucram duplamente, seja com estabilização da temperatura do ar da superfície, seja por evitar poeira e outros detritos, além de evaporação.
DEIXAR DE ALIMENTAR DUAS VEZES POR DIA
Eles precisam comer pelo menos duas vezes por dia ou eles morrem.
DEIXAR DE FAZER ALGUMA LIMPEZA NO AQUÁRIO
Esta é a tarefa mais difícil, pois muita troca de água pode matar os filhotes, mas nenhuma troca também vai matá-los. Troque percentuais pequenos, por gotejamento, nunca derrame água no aquário.
DEIXAR DE REMOVER OS PAIS
Apenas porque o pai ficou três dias coletando cada um dos filhotes desgarrados não quer dizer que não se alimente deles depois disso.