Introdução

Peixes ornamentais compartilham com a maioria dos peixes uma estrutura particular, constituída pela maioria dos órgãos possuídos pelos humanos, acrescidos de outros, tais como a bexiga natatória, por exemplo. Dentes, língua, fígado, rins, um coração simplificado, uma forma de pulmão adaptado ao meio, tudo isso neles encontramos. Salvo exceções, são recobertos por escamas, que lhes servem de proteção e os auxiliam na redução do atrito de deslocamento. Peixes são pecilotermos, ou seja, incapazes de aquecer seu corpo, compartilham a temperatura do meio em que se encontram. Peixes ornamentais tropicais, como é o caso, costumam estar em conforto na faixa de 20 a 28°C. Fora dela, principalmente em baixas temperaturas, ficam estressados e tem seriamente comprometido o seu metabolismo.

Estrutura

O formato do Betta é estabelecido pelo esqueleto ósseo. A coluna vertebral vai da cabeça à cauda e é feita por pequenas vértebras. A cabeça contém o cérebro. Ligadas às vértebras estão as costelas, que protegem a maioria dos órgãos vitais. Placas ósseas, chamadas opérculo, uma de cada lado, recobrem as guelras.

Partes externas do BettaNadadeiras se projetam do corpo, em locais determinados, e são sustentadas por raios cartilaginosos, as barbatanas. Esses raios são de especial importância no Betta, pois quanto mais ramificados, como mostra a figura à margem, maior sustentação e amplitude fornecem às nadadeiras. Raios quádruplos são os mais valorizados.

As principais partes externas são mostradas na figura, sendo alguns órgãos internos identificadas na figura que consta abaixo. As fêmeas portam um ovário, onde são mantidos os ovos, cuja fertilização é externa.

Quem já viu um macho betta próximo de outro macho da espécie, ou apenas lhe apresentou um espelho, deve ter ficado impressionado com a capacidade de ampliar o tamanho aparente da cabeça pelo alargamento dos opérculos. Essa atitude beligerante lhe valeu o epíteto de "peixe de briga".

Cores do Betta

A cor do Betta é formada por quatro camadas de pigmentos, que respondem pelas dezenas de milhares de combinações possíveis: Iridescente (a camada superior), Preta, Vermelha e Amarela. Cada uma delas tem um código genético ou uma série de genes, que determinam, em conjunto, como o Betta aparece. Esses genes ampliam, reduzem e, até, suprimem determinada cor, além de controlar onde são distribuídas.

Camadas de cores do BettaDependendo do estado do animal, os pigmentos contidos nas células do tecido podem se concentrar ou afastar, fazendo com que as cores se tornem mais ou menos intensas. A intensidade é um dos indicativos da saúde do peixe.

Camada iridescente

Essa camada é também denominada de camada azul, pois que é através dela que se obtém essa cor no Betta.

Nela, encontramos o gene azul-verde, que determina três cores finais, o verde iridescente, o azul metálico brilhante, do Betta azul metálico, e o azul brilhante conhecido como Azul Real. O gene que cria iridócitos espalhados responde pelo efeito de brilho e também fornece a cor azul para verde, tal como a Turquesa. Embora não se tenha identificado um gene para não-azul, muitos criadores conseguiram eliminar completamente essa cor, tornando-o presumível.

Camada preta

Há três combinações de genes confirmadas que afetam a camada preta, eles são o Camboja, o Blonde ou Bright e o Melano.

O gene camboja é duplamente recessivo, e quando presente elimina o pigmento preto, fazendo com que o corpo do peixe fique cor-da-pele com as nadadeiras vermelhas - embora já existam outras cores de nadadeiras nesta variedade. O gene blonde também é duplo recessivo. Seu efeito é melhor observado nos Bettas vermelhos, quando sua presença torna o peixe de um vermelho brilhante, enquanto a ausência o faz de um vermelho amaronzado. O gene melano amplia o preto no Betta. Mas, como as fêmeas melano são estéreis, os Bettas pretos são obtidos, entre outras hipóteses, com o cruzamento de um macho dessa cor com fêmeas azuis.

Camada vermelha

Há quatro tipos de genes nessa camada. Não-vermelho, que é duplo recessivo, elimina o vermelho ou o torna de um amarelo muito claro. Vermelho estendido controla a distribuição e a intensidade do vermelho, até o Betta exclusiva e completamente vermelho. Vermelho reduzido determina Bettas com nadadeiras vermelhas e corpos escuros, normalmente azuis ou verdes, ou ambos. O gene Nadadeiras mistas controla a extensão do vermelho nas nadadeiras, criando o que conhecemos como efeito Borboleta (Butterfly).

Camada amarela

O Betta amarelo é aquele em que as demais camadas foram neutralizadas, ou seja, é não-preto na camada preta, não-vermelho na camada vermelha e não-azul na camadas iridescente.

Além das camadas de cores aqui identificadas, há outras padronagens que podem ser determinadas por outros genes ou que resultam da combinação desses. Um exemplo disso é o Opaco (branco), que na verdade pode vir em diferentes cores, da qual a mais marcante é o branco fosco.

Labirinto

Bettas são anabantídeos, ou seja possuem um órgão acessório de respiração, logo acima das guelras, através do qual respiram oxigênio atmosférico. Dessa mesma família são, por exemplo, as Colisas e os Tricogasters.

Esse órgão, o labirinto, é uma forma primitiva de pulmão.que se desenvolve algumas semanas após seu nascimento. Diagrama do Labirinto Consiste em cavidades em cada lado da cabeça que contêm diversas placas ósseas recobertas com um tecido enrugado em que há muitas vasos sanguíneos circulando. Isto cria uma área de superfície grande com que o oxigênio pode ser absorvido. Os peixes nadam para a superfície, onde cospem uma bolha de ar usado e obtém uma nova. As brânquias também são usadas pelos peixes, mas não são suficientes para fornecer todas as exigências da respiração e absorção de oxigênio. Não é incomum vermos Bettas que sobreviveram por várias horas fora da água, sendo mais abalados pelo ressecamento da pele do que por asfixia.

Órgãos internos do BettaPeixes com labirinto têm uma outra característica, todos os órgãos internos estão comprimidos na parte dianteira do corpo, de modo que a parte traseira tem somente a espinha,músculos e parte da bexiga natatória. O corpo do peixe é assim notavelmente flexível e explica a particular aerodinâmica dos Bettas. Seu formato é indicativo de sua preferência por água calmas, de pequeno movimento.

 

Dimorfismo sexual

Os machos tem as cores mais intensas, as nadadeiras mais longas e Dimorfismo Sexualsão muito territorialistas. "armando-se" para outros machos, para fêmeas ou mesmo para sua própria imagem em um espelho.

Embora menos comum, existem fêmeas agressivas. Por isso, nem sempre é fácil distinguir um macho jovem ou de nadadeiras menores de uma fêmea bem dotada. A prova dos nove para identificação dos sexos é, afinal, a existência de um ponto branco na região anal da fêmea, o "ovopositor", por onde são expelidos os ovos durante o casamento. Outra forma de reconhecimento é saber que é o macho quem que fabrica o ninho de bolhas. Ele o faz assoprando ar através da boca, onde é aprisionado por uma secreção, adesiva, de glândulas ali existentes. A construção ocorre quando a temperatura está na faixa de reprodução normal, entre 25° e 30° C.

Demais Sistemas

Os demais sistemas anatômicos do Betta são similares aos dos peixes ornamentais em geral, e podem ser vistos na página que trata da anatomia do Guppy.